27/10/1974: Morre a franco-atiradora soviética Lyudmila Pavlichenko

Lyudmila Pavlichenko

Estudante de história na Universidade de Kiev antes da invasão nazista na Rússia (1941), Lyudmila Pavlichenko (1916 – 1974) se destacou no exército de Stálin por ser uma franco-atiradora excepcional, tendo oficialmente registrado 309 mortes de nazistas.

Existem aqueles que dizem que ela era apenas uma propaganda da URSS e que seus feitos eram uma mentira, assim como existem aqueles que dizem que, na verdade, ela teria levado 500 ou mais nazistas a morte.

Apesar disso, o fato inquestionável foi que ela lutou bravamente em defesa de seu país e contra o fascismo.

 

“Desde que cheguei aqui, tenho sido constantemente perguntada como me sinto quando mato um alemão. O sentimento depois de matar um nazista é o sentimento de um caçador que matou um animal de rapina. Toda vez que minhas balas derrubaram um nazista eu tinha o sentimento de ter salvo vidas. Qualquer pessoa que tenha tido nazistas pisoteando suas terras sabe disso. Os nazistas matam crianças, mulheres, velhos. Deixar um nazista vivo em sua terra é favorecer o assassinato do seu próprio povo. Apenas nazistas mortos são confiáveis para deixar inocentes ilesos. Todo hitleriano morto é um passo para a rua da liberação da humanidade.”

Trecho de discurso de Lyudmila Pavlichenko em sua visita aos Estados Unidos.

 

Mesmo tendo se ferido diversas vezes durante as batalhas, Pavlichenko continuou lutando e, das 2000 mulheres franco-atiradoras que faziam parte do exército vermelho, ela foi uma das 500 a sobreviver a guerra.

Lyudmila foi condecorada com uma medalha por Mérito em Combate, outra de Herói da União Soviética e com duas medalhas da Ordem de Lênin, sendo a última a medalha de maior condecoração da URSS.

Pavlichenko morreu em 1974, aos 58 anos, devido a um AVC, em Moscou.

Selo em homenagem a Lyudmila Pavlichenko da 3ª edição ‘Grande Guerra Patriótica 1941-1945’, URSS

 

Lyudmila Pavlichenko, 1942

 

Lyudmila Pavlichenko no Museu Central das Forças Armadas da União Soviética, 1968

 

Lyudmila Pavlichenko em viagem a Londres, Reino Unido, 7 de maio de 1971

 

Lyudmila Pavlichenko no Memorial à defesa heróica de Odessa, 1971

Deixe uma resposta

error

Gostou? Compartilhe :)